28/08/2011

Tsunami no Japão e fugas nucleares


Estas imagens mostram os efeitos das fugas radioactivas da central nuclear, na fauna marítima.

4 comentários:

Celle disse...

HÁ QUE IMPRESSIONANTE!!!
Estou chocada!
Efeitos semelhantes não podem ter ocorrido com seres humanos?
É claro que não se publicam...
Beijos
Celle

A. João Soares disse...

Querida Amiga Celle,

Claro que podem ocorrer com seres humanos. Em consequência do desastre na central nuclear de Chernobyl em 26 de Abril de 1986, surgiram deformações terríveis em pessoas nascidas em data posterior.
Pensei colocar aqui um vídeo a mostrar isso, mas achei tão chocante para pessoas mais sensíveis que achei que não devia publicar. Mas os que desejarem ver, podem ir ao site
http://www.youtube.com/watch?v=BS2_RL_CzQc&feature=player_detailpage
Se depois procurarem na margem direita podem encontrar mais imagens.

A energia nuclear tem custos incalculáveis. Por isso alguns países estão a estudar o encerramento das que possuem.

Beijos
João

Maria Letra disse...

O título de um dos meus textos em Letra-Sem-Treta é este: "Quando a Imagem te Fala e a Voz se Cala", aplica-se aqui. Simplesmente se perde a voz. Não há nada a dizer. Não é preciso, amigo João Soares.
Não me cansarei de dar-lhe os parabéns por quanto denuncia e por quanto faz para mudar este mundo em contínua descida para qualquer coisa que cada vez mais acreditamos possa levar-nos ao caos. Lamento muito, mesmo muito.
Aproveito para pedir desculpa das minhas ausências, a despeito do quanto de bom escreve.
Um grande abraço.
Maria Letra

A. João Soares disse...

Cara Amiga Mizita,

Os seres humanos mais perigosos não são aqueles que gritam a denunciar erros e crimes contra a humanidade, mas sim aqueles que aceitam tudo sem um sussurro de desagrado.
Mas, felizmente, parece que o mundo está a dar a volta e as pessoas acordar e a reclamar. Espero que não sejam criadas situações piores do que as que se pretende melhorar.
O futuro precisa de gente sensata, generosa, que pense mais nos outros do que em si próprias, quando estão em cargos públicos de elevada responsabilidade.

Beijos
João